O CMV é o custo da mercadoria vendida no seu negócio. Conhecendo esse valor, você tem mais clareza sobre a saúde financeira da sua empresa. Veja como calcular

O Custo de Mercadoria Vendida (CMV) é um indicador muito importante para compreender a saúde financeira do seu negócio. A partir dele, você consegue otimizar o gerenciamento da empresa e realocar determinados investimentos.

Seja qual for a sua área de atuação, conhecer o CMV é fundamental para balanços financeiros e ajuda na tomada de decisões. Hoje, você vai aprender como calculá-lo e entender a importância dele para o seu negócio.

O que é CMV?

O CMV, ou Custo de Mercadoria Vendida, é a soma de todas as despesas com produção e manutenção dos seus produtos até que eles sejam vendidos. 

Por exemplo, se você trabalha com varejo de vestuário, o CMV é o conjunto de todos os gastos que você teve com as peças: 

  • aquisição de cada uma delas com o fornecedor (no caso de revendedores);
  • compra dos tecidos para produzi-las (no caso de confecção própria);
  • aluguel do local de armazenamento;
  • frete para transportá-las até o estoque;
  • seguro;
  • impostos relacionados, entre outros.

Quando é usado o CMV e qual a sua importância prática?

custo da mercadoria vendida

O custo do produto vendido é utilizado para calcular o lucro bruto das vendas e saber quanto custou vender aquele determinado item. Caso você não esteja tão familiarizado com esses termos, vamos explicar melhor:

  • Receita: tudo o que a empresa ganha com a venda de seus produtos. Antes de descontar qualquer coisa, ela é chamada de receita bruta.
  • Receita líquida: tudo o que a empresa ganha com a venda dos produtos menos impostos, devoluções de mercadorias e demais descontos referentes à venda em si (como promoções, PIS/Cofins e ICMS; gastos com produção e armazenamento não entram na conta).
  • Lucro: é a diferença entre o que se ganha e o que se gasta. Se esse valor for negativo, a empresa teve prejuízo. 
  • Lucro bruto: é a receita líquida menos o CMV (gastos com produção e armazenamento dos produtos).
  • Lucro líquido: é o lucro bruto menos impostos e despesas da empresa em geral (como IPTU, conta de água e luz).
  • Capital de giro: é a diferença entre o dinheiro disponível em caixa e todas as despesas. Em outras palavras, é o montante que a empresa usa para seguir funcionando no dia a dia.

Logo, o CMV é necessário para saber o quanto sua empresa lucrou de verdade e para administrar melhor o seu capital de giro

A partir dele, você também:

  • descobre o valor gasto com controle de estoque e analisa se está muito caro;
  • observa se precisa ajustar a precificação dos produtos a fim de aumentar a margem de lucro (afinal, você não quer ter um negócio para gastar mais do que ganhar, não é mesmo?);
  • identifica certos desperdícios no processo de produção.

Um CMV alto pode significar que você está gastando muito para comprar as mercadorias dos fornecedores. Já um CMV baixo pode representar vantagem nessas transações, mas é preciso ter cuidado ao analisá-lo.

Isso porque, se o custo do produto vendido for baixo demais, também pode significar que o item em questão é de má qualidade. O ideal é buscar um CMV menor, mas sem comprometer os atributos do produto. Não adianta comemorar que seu CMV é super baixo se a mercadoria que você está vendendo é ruim.

Como calcular o CMV?

como calcular cmv

Para calcular o custo de mercadoria vendida, existem muitas fórmulas. Segundo o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), o CMV ideal de uma empresa gira em torno de 30% a 40% do faturamento. No entanto, esses números podem variar dependendo do setor de atuação do negócio.

Confira abaixo as principais fórmulas para o cálculo do CMV.

CMV geral da empresa 

Uma das formas de chegar ao valor é somar o custo total com estoque no início do mês que se está calculando (EI) e todas as compras realizadas nesse tempo (C). Em seguida, subtrair pelo custo total com estoque no fim do período (EF).

Antes de tudo, entenda o que é o custo total com estoque. É a somatória de custo dos pedidos (gastos até produtos chegarem ao depósito), de ajuste (gastos com a produção) e de estocagem (gastos com investimentos, espaço físico para armazenamento e serviços, como tecnologia e segurança).

Faça esse cálculo referente ao início e ao fim do período que você está analisando. Depois, encaixe os números na fórmula:

EI + C – EF = CMV

Vamos exemplificar. Imagine que sua empresa gastou R$ 2 mil com estoque no início do mês, fez compras no valor de R$ 500 e gastou R$ 900 com estoque no fim desse período (considerando que parte das mercadorias foi devolvida pelos clientes).

Logo:

R$ 2.000,00 + R$ 500,00 – R$ 900 = R$ 1.600,00 foi o Custo das Mercadorias Vendidas no mês em questão

CMV por produto

Quem vende roupas, por exemplo, pode calcular o custo do produto vendido em relação a camisetas, calças, vestidos e saias separadamente para ter informações mais detalhadas. O cálculo é o mesmo da empresa como um todo, só que será feito com cada grupo de mercadorias.

Ou seja, a pessoa precisa saber o custo total com estoque das camisetas no início do mês (EI), o valor das novas camisetas compradas nesse tempo (C) e o custo total com estoque das camisetas no fim do período (EF).

A fórmula do CMV por produto é a mesma:

EI + C – EF = CMV

CMV por faturamento

Se você quiser ter noção do quanto esse gasto representa no mês para a sua empresa em relação ao faturamento, precisa ter outros dados em mãos: custo médio (também conhecido como custo unitário, é a média de gastos com a compra de cada produto) e faturamento (soma total das vendas).

Neste caso, a fórmula é:

(CM / F) x 100 = CMV %

Imagine que sua empresa teve um custo médio de R$ 3 mil no mês e faturou R$ 10 mil. Então:

(R$ 3.000,00 / R$ 10.000,00) x 100 = 30%

Neste cenário, o CMV corresponde a 30% do faturamento da empresa no mês em questão.

O que não entra no cálculo do CMV?

custo do produto vendido

Confira abaixo quais são as despesas comuns para qualquer empresa que não incidem sobre o custo do produto vendido:

  • despesas financeiras, como juros sobre empréstimos;
  • despesas operacionais relativas à venda dos produtos, como custo de entrega ao cliente e demais taxas;
  • despesas internas com vendas, como comissões de vendedores;
  • despesas administrativas, como água, luz, telefone, internet e aluguel;
  • impostos sobre vendas dos produtos, como PIS/Cofins e ICMS.

Todos esses gastos são deduzidos quando se calcula a receita líquida e quando se calcula o lucro líquido.

Conclusão

Como aprendemos, CMV significa Custo de Mercadoria Vendida e, basicamente, se refere a tudo o que uma empresa gasta para manter seus produtos estocados, desde a compra deles ou dos insumos para produzi-los até o momento da venda.

É um índice de grande importância para a gestão de um negócio, pois ajuda a identificar tanto a lucratividade dele quanto os gastos excessivos em determinadas áreas.

Para acompanhar o CMV, é essencial monitorar as estatísticas da sua empresa e manter todos os relatórios financeiros organizados e atualizados. Assim, você fica de olho na saúde financeira do seu empreendimento e consegue tomar decisões inteligentes com base em dados, corrigindo o rumo sempre que necessário.